sexta-feira, 31 de julho de 2015

eu & a blogosfera


Tenho tido sempre vontade de escrever aqui, tenho sempre o que dizer, sempre ideias para rubricas, sempre assuntos que gosto de partilhar. Por um lado, é bom, porque fico mais próxima da blogosfera e de todas vocês. Por outro, sei que é mau sinal em relação à minha vida pessoal. Quase todos os meus outros blogues acabaram porque entrei numa fase tão boa que já não sentia necessidade de 'desabafar' com ninguém; a minha vida fora do computador era tão boa que não precisava de nenhum outro extra (penso que é um bocadinho como aconteceu à A, do blog Monte Carlo). Das duas uma: ou isso mudou ou não estou completa, como deveria/poderia estar e já estive. Aposto na segunda.

solas brancas are a no


Já não aguento sandálias/botas/qualquer tipo de coisa que se ponha nos pés com sola branca (e plataforma de 30 cm). Estão em todo o lado, então na Seaside... aquilo é uma overdose. As únicas sandálias que tenho com sola branca são umas igualmente brancas, em que não há contraste da parte de cima e não fica ridículo. Saudades do tempo em que os sapatos eram todos de uma cor, ou com solas de cores discretas e que combinavam.

Filmes | Atonement

Fazendo uma interrupção à lista de filmes do Christopher Nolan, trago-vos um dos meus filmes preferidos de sempre, com os lindos James McAvoy e Keira Knightley, realizado por Joe Wright (o mesmo realizador de Pride and Prejudice): Atonement ou, em português, Expiação. É um filme de 2007 e foi indicado a vários Oscars da Academia (incluindo o de melhor filme), tendo sido premiado com o de melhor trilha sonora. 


O filme passa-se nos anos anteriores à Segunda Guerra Mundial e este é inclusive um dos temas retratados mais à frente no mesmo. A trama gira em torno de Briony Tallis, uma menina de 13 anos que decide criar uma peça em homenagem ao seu irmão, prestes a chegar de viagem. Dotada de imaginação, ao assistir a um momento retirado do contexto entre a sua irmã Cecília e Robbie, o filho da governanta, Briony faz algo que jamais poderá ser redimido, condenando a relação dos dois jovens para sempre. 


Apesar de parecer, à primeira vista, outro filme cliché onde um amor se torna impossível devido à diferença entre classes sociais, Atonement é um balde de água fria, levando-nos a refletir sobre o facto de nem tudo ser o que parece e sobre o quão drástica uma simples compreensão errada das coisas se pode tornar. 

Com um enredo muito bem pensado a culminar num final de deixar qualquer um de queixo no chão, Atonement é, sem dúvida, um filme que aconselho imenso. Já viram?

woman crush #2

Oona Chaplin, neta de Charles Chaplin.
Podem vê-la em Game of Thrones, The Longest
Ride, entre outros.

Estar de férias não é só ir à piscina todos os dias. Também implica ser responsável por limpar a casa. Lembro-me perfeitamente de, há umas semanas, enquanto estudava para os exames, pensar para mim "e, no ano passado, eu queixava-me de ter que limpar e arrumar tudo, uma vez por semana?". O que eu não dava, naquela altura, para poder fazê-lo... agora até o faço com um sorriso na cara, enquanto ouço músicas azeiteiras que ninguém precisa de saber quais são (a não ser os meus vizinhos). Começo a achar que limpar a casa ajuda a limpar a alma.

quinta-feira, 30 de julho de 2015


Hoje o meu dia foi tão giro! Decidi esticar o cabelo e pegar nas minhas boyfriend jeans rasgadas, rumo a um dia de compras com um amigo e uma amiga muito próximos! Passamos a tarde pelas lojinhas (na rua, porque sabe bem o ar fresco depois de duas horas na Zara), experimentamos milhares de peças, lanchamos um Happy Meal no McDonalds (juro que nada sabe melhor ao lanche) e voltamos cheios de sacos, fotografias e alegria. Amanhã vou para a casa de um amigo meu, festejar o seu aniversário e aproveitar a piscina, de noite janto fora porque a minha irmã faz anos. Não há nada melhor do que não parar em casa. 

quarta-feira, 29 de julho de 2015

man crush #1

De Dear John a Magic Mike... Channing Tatum.

terça-feira, 28 de julho de 2015


Se há coisa que me irrita mesmo é quando tento combinar uma saída e parece que estou a fazer um favor às pessoas. Para além de me dar ao trabalho de criar um chat de grupo, escrever os planos e convidar gente, ainda tenho que andar atrás de não sei quem a perguntar se vai ou não, porque o fulaninho decidiu ver as mensagens e não responder. Isso ou, como hoje aconteceu com a Francisca (chateei-me um bocado), dizerem-me que não podem porque não têm dinheiro ou porque o ambiente em casa está mau, mas passarem a vida a ir à praia, a ir ao cinema, a ir almoçar fora. Poupem-me!

40 factos sobre mim

1. Os meus gostos musicais variam imenso. Entre Ed Sheeran, Avicii, Bon Jovi e Andrea Bocelli, tenho sempre o que ouvir consoante as situações. 

2. Vejo 16 séries.

3. Tenho 3 nomes (2 deles são apelidos).

4. Só algumas pessoas (raras) é que me conseguem fazer rir com cócegas.

5. Não saio de casa sem perfume.



6. A maior parte da minha família prefere ver-me com cabelo encaracolado e a maior parte dos meus amigos prefere ver-me com o cabelo esticado.

7. Tinha muitos complexos por ser magrinha até há pouco tempo.

8. Adoro cães e animais em geral.

9. Choro em quase todos os filmes do Nicholas Sparks.

10. Adoro visitar grandes cidades.


11. Adoro ver pessoas de calções/saia/vestido mas raramente uso.

12. Detesto pés.

13. Odeio todo o tipo de fruta.

14. Adoro todos os filmes do Christopher Nolan. Ele é um génio.

15. Nunca fumei.


16. Não vi todos os filmes de Harry Potter.

17. Sou super protetora em relação... ao Cristiano Ronaldo. Ninguém pode falar mal dele à minha beira.

18. Julgo muitas vezes as pessoas pela forma como estão vestidas mas passado 5 minutos estou a defender com unhas e dentes a ideia de que cada um deve andar como se sente bem.

19. Irrito-me com muita facilidade.

20. Sou muito impulsiva e reclamo muito quando alguma coisa não me agrada.


21. Fico desconfortável se olharem para mim enquanto como.

22. As personalidades dos meus pais não podiam ser mais diferentes.

23. Detesto as Kardashians, nem sequer percebo porque é que elas são conhecidas.

24. Fico sempre indecisa na cor do verniz quando vou pintar as unhas e acabam sempre por ficar pretas.

25. Tenho uma cicatriz na perna porque, há cerca de dois anos, me espetei contra um móvel.


26. Detesto o Messi.

27. Já vi o meu cantor preferido e a minha banda preferida ao vivo.

28. Nunca apago mensagens.

29. Nunca tenho memória no telemóvel.

30. Não consigo dormir com o sabelo solto, tem de estar sempre num puxo ou numa trança.


31. Odeio depilação a cera.

32. Nunca fiquei bêbada.

33. Sou consumidora compulsiva.

34. Perco muito tempo a ver vídeos da Victoria's Secret, porque é um mundo que me fascina, de certa forma.

35. Fico fora de mim quando me dizem que a Candice ou a Nina não são bonitas.


36. Não gosto da Beyoncé, da Nicki Minaj, da Katy Perry, da Ariana Grande nem da Rihanna.

37. Nunca gostei das músicas dos One Direction, mas sempre soube imensas coisas sobre eles e li imensas fanfictions. 

38. Tenho um bocadinho de vergonha de gostar de 50 Shades of Grey.

39. Não quero fazer tatuagens.

40. A minha família diz que eu teria jeito para uma profissão relacionada com comunicação, moda ou dança.

segunda-feira, 27 de julho de 2015


Não sei se repararam, fiz uma alteração ali em cima, nas páginas. Adicionei uma que intitulei de 'friends' onde podem encontrar informação (importante ou não, cabe-vos a vocês decidir) sobre as pessoas que são frequentemente mencionadas nos meus posts, só mesmo para não ficarem às cegas. Também encontrarão lá nomes falsos para as 'iniciais' que costumo usar, como forma de facilitar o meu trabalho e a vossa compreensão. Não é grande coisa, mas achei que devia avisar. Um dia destes pode ser que faça uma remodelação visual ao blogue... quem sabe!

woman crush #1

Emila Clarke - Game of Thrones

Emilia Clarke - vida real

domingo, 26 de julho de 2015

Filmes | Interstellar

Continuando a saga dos filmes do meu realizador preferido (Christopher Nolan, para os que andam desatentos), chegou o momento de vos falar sobre a sua mais recente obra-prima: Interstellar. Se querem que vos seja sincera, não acho que este filme tenha recebido crédito suficiente. É um 8,7 no IMDb, mas porquê parar por aí? Porque não um 10? Um 11?


Vi o filme, nada mais nada menos, porque sabia que ia adorar. Não tinha qualquer tipo de dúvida que se ia tornar num dos meus favoritos. Eu e a A temos gostos muito parecidos e ela não se calou no mês seguinte a ir vê-lo ao cinema: "TENS QUE VER"; "não tens noção, é só espetacular"; "I, a sério, vê"... Para além disso, sendo do mesmo realizador que Inception e Shutter Island... era obrigatório para mim "perder" 3 horas do meu tempo. 

Com o grande Matthew McConaughey (que ainda não perdoei por roubar o Oscar ao meu Leo (( e sim, fui pesquisar ao google como se escrevia))), Interstellar trata um tema que me intriga desde há alguns anos mas sobre o qual nunca falei muito, por falta de conhecimento ou por nunca ter vindo à conversa. A verdade é que sempre me fez confusão a nossa pequenez neste espaço enorme onde estamos, bem como aquilo a que chamamos tempo. Conhecem a Teoria da Relatividade, de Einstein? Não vos fascina, de certa forma? O filme é muito sobre isso. Basicamente, a Terra está a morrer. A última geração a sobreviver será a que já existe, naquele momento. Como tal, um grupo de astronautas recebe a missão de procurar por planetas que possam ser candidatos a receber a população humana para que, desta forma, se evite a extinção da nossa espécie. No entanto, há complicações, sendo que as que mais me deixaram perplexa foram as variações do tempo (do género: uma hora em determinado planeta são 5 anos na Terra - faz-me muita, muita confusão pensar nisto, principalmente depois de ver o filme).


Interstellar explora assuntos muito complexos e é preciso estar-se bastante concentrado (nada de jogar Candy Crush entretanto). São assuntos muito, muito interessantes e, quem sabe, importantes para o futuro da Terra, que inevitavelmente há-de chegar. Claro que o filme está inserido na categoria "Ficção Científica", mas há tanta base teórica que acabamos o filme com vontade de pesquisar e saber tudo sobre tudo, com dúvidas sobre o que nos rodeia e com uma vontade enorme de poder esquecer a história só para a podermos ver outra vez, sem sabermos o fim. Foi, sem dúvida, o filme que mais gostei de ver realizado em 2014 (seguido de Gone Girl, do qual também tenciono falar) e um dos meus favoritos de sempre. In Nolan we trust!

*

Deixo-vos uma parte de uma crítica que li por aí:
"Não são as teorias nem as imagens, contudo, que mexem com o espectador – leigo ou nerd de carteirinha. Nem é a ideia do fim do mundo ou de uma viagem intergaláctica que causa aquele nó na garganta e faz aquelas três horas parecerem tão pouco.

O que arrepia é justamente o fato de elas parecerem pouco.

Com "Interestelar", Nolan nos faz perceber que o tempo, que rege cada um de nossos dias humanos, está totalmente fora do nosso controle. Ele é relativo, como Eistein vinha tentando nos dizer há mais ou menos um século... Mas a ficha não tinha caído até agora." (Juliana Varella)
A começar agosto e eu a ver botins em saldo, entre outros. Valha-me Deus, não tenho cura!



sábado, 25 de julho de 2015

holidays


Estou tão entusiasmada! O meu grupo está a organizar umas mini-férias de uma semana em Trás-os-Montes, em casa dos avós de um deles. Vá, riam-se. É o fim do mundo? Claro que é. Mas qualquer fim do mundo se torna o paraíso quando se passa uma semana, numa casa enorme com piscina, com os nossos melhores amigos. Se formos, é lá para setembro porque em agosto é complicado conciliar as férias de todos com a família. Quero taaaanto! (pode ser que risque uns quantos desejos da wishlist eheh)

sexta-feira, 24 de julho de 2015

Qual era a vossa série preferida da antiga Disney Channel?


Em Setembro, volto para o ballet.

quinta-feira, 23 de julho de 2015

Não venham com tretas de "ela só cresceu", a Miley Cyrus é nojenta. Ponto final.


Amanhã vou ver o espetáculo da minha antiga escola de ballet e morrer de saudades, sair de lá a dizer que em setembro volto e depois desistir da ideia passado uns tempos, como sempre. Que gostava, gostava.

quarta-feira, 22 de julho de 2015

só um recadinho

Antes de isto ser um blogue para vocês, será sempre um blogue de mim para mim


Independentemente de gostarem ou não, continuarei a escrever longos posts sobre a minha vida, os meus amigos, os meus acontecimentos. Construí isto para ir guardando, aos pouquinhos e de uma forma diferente, alguns episódios mais ou menos marcantes e que foram importantes para mim, quando aconteceram. Certamente que, daqui a alguns anos, dar-me-á muito mais gosto ler com pormenor situações que ocorreram em algumas festas das quais quase já não me lembrarei do que posts sobre as minhas músicas preferidas ou rubricas não relacionadas comigo. Atenção, não estou a dizer que isso também não é importante para um blogue, mas antes de mais, estou eu. O que eu gosto, o que eu faço, o que eu sei que vou querer recordar, o gosto que sei que me dará reviver experiências do secundário. E não me importo se longos textos não são apelativos, não me importo se ninguém quer ler a minha vida porque têm a sua... eu gosto de escrever o meu dia-a-dia e gosto de o ler. Pouco me importa o número de seguidores que tenho, nunca deixarei de publicar algo no meu blogue por ser maçador ou não ter interesse para os outros. Se tiver vontade, é o que farei, tendo 5 visualizações ou 150. 

o fiasco

O jantar correu todo mal, tudo o que eu estava à espera que acontecesse... não aconteceu. 


Começou por volta das 20h30, toda a gente foi, incluindo o rapaz que ia trazer as bebidas brancas, mas chegou sem elas. Meaning: não bebi uma pinguinha de álcool que fosse. Depois, as colunas que a C tinha eram as do pc, ou seja, com toda a gente a falar só se ouviam os agudos. Mesmo assim, pus lá a música em aleatório e fui dançar... sozinha. Porque eles pareciam mortos. Ficou toda a gente sentada na mesa a conversar, em grupos separados e ninguém se levantou para abanar o capacete, por muito que eu tivesse insistido. Mais tarde aconteceu outra: era suposto eu ter ficado lá a dormir, até que o meu pai se passou por uma coisinha de nada, que eu obviamente fiz de forma inocente, e que poderia ser facilmente resolvida. Mas, na cabeça dele, eu precisava de aprender a lição, portanto o castigo foi ir-me buscar à 1h. Fui até ao quarto, liguei-lhe e fiquei tão nervosa com o facto de ele não me deixar explicar que comecei a chorar. Quando cheguei lá abaixo, toda a gente reparou e entretanto começa-me a AC a chorar também, porque achava que eu tinha ficado triste por causa de uma conversa qualquer que ela teve com o namorado e que eu tinha supostamente ouvido (qualquer coisa relacionada com ela ter ciúmes meus). Mas acham que foi tudo? Não! Os vizinhos ligaram aos pais da C por causa do barulho (sim, por causa daquela música que nem a um metro se ouvia) e então eles decidiram que a festa tinha que acabar, isto à meia-noite. Fomos todos ao café mais próximo, a 10 km de distância, e o pessoal começou a ir embora antes da 1h (acabei por ser das últimas). Como podem ver, não foi a melhor festa de sempre para mim, longe disso. Será que nunca pode correr nada como estamos à espera e queremos que corra? Estava com as expectativas tão altas... parece de propósito.

segunda-feira, 20 de julho de 2015

não posso, tenho que estudar Biologia... espera, não tenho nada!

FINALMENTE. Sinto que me saiu o mundo das costas. Hoje fui à 2ª fase do exame de Biologia, visto que a primeira fase foi o que foi. Achei mais difícil mas fiz um esforço para me concentrar e acabou por resultar. Precisava de 17,5 para manter o meu 19 mas não sou crente. Fui batalhar para o 18, para o qual precisava de 13,5. Pelas minhas contas tenho 16,5 com apenas uma escolha múltipla mal (uma das 10 em que tive sérias dúvidas). O resto dos pontos perdi nas de desenvolvimento que achei, de facto, confusas. 


Mas já passou. Tenho a certeza que o 18 é meu e vou mas é aproveitar as férias que já estão a quase metade das do ano passado. Já posso acabar de ver Prison Break sem me sentir culpada (falta pouquinho já), posso começar Faking It porque estou cheia de curiosidade, posso ir à praia todos os dias, ir ao cinema, ao shopping, eu sei lá. E o meu verão não podia começar de melhor forma: amanhã a C faz anos, vai fazer uma festa em casa e eu vou ficar lá a dormir. Vamos ser cerca de 15 pessoas, vou conhecer toda a gente, vou estar em minha casa. O N vai lá estar mas eu vou fazer de conta que não e espero que ele perceba que preciso tanto dele como ele de mim (noutras palavras: nada). Tenho vontade de, pela primeira vez na minha vida, beber uns copinhos a mais. Quero não me preocupar com nada, dançar até de manhã, cantar e divertir-me muito. Depois conto-vos tudo! Aproveitem as férias, que eu também vou fazê-lo :)*

sábado, 18 de julho de 2015

C: e já não se falam há mais de um mês...
N: sim.
C: então está na altura de lhe dizeres alguma coisa, não?
N: eu não digo nada. Ela, se quiser, que diga.

Ele é ridículo. Então se eu, uma amiga dele, me chateio com ele, o mais normal não seria ele tentar saber porquê e, posteriormente, das duas uma: achar algo insignificante e ignorar ou então perceber e tentar desculpar-se de alguma forma? Fica à espera que seja eu a ir falar, quando ele nem sequer me perguntou porque é que fiquei assim? Mas isto cabe na cabeça de alguém? Se ele se tivesse preocupado em falar comigo para perceber o que se passava e eu tivesse sido irredutível, tudo bem. Mas ele nem sequer procurou uma justificação, o que só me indica que ele não está nem aí... 
Sinceramente, faz-me confusão esta maneira de pensar das pessoas, mas não vou ser eu a mudá-las, muito menos a adaptar-me. Podes ir à merda, N. Cada vez significas menos para mim. 

segunda-feira, 13 de julho de 2015

o espalhanço


Sendo que o diretor e funcionários da minha escola são uns amores, à meia-noite de hoje ("ontem à noite") a escola abriu para consultarmos as notas dos exames. Fui com o meu grupo tomar um café à esplanada mais próxima e, quando faltavam cerca de cinco minutos, fomos indo para lá. Quando chegamos, já estava o caos instalado. Pessoal a chorar cá fora, outros a ligar aos pais. Não havia ninguém feliz naquelas 50 pessoas. Só vimos os resultados cerca de 10 minutos depois, visto que estava uma multidão em frente aos placares. Não foi nada mais nada menos do que eu estava à espera: 13,2 a Biologia (eu já sabia que tinha sido um desastre) e 18,0 a Físico-Química. As notas de Biologia foram péssimas a nível nacional e a nossa escola não foi exceção: a melhor nota foi um 15,5 e houve muito poucos 14's. Vou repetir, como tinha previsto. A Físico-Química, pelo contrário, parece-me que as notas foram muito boas (o que também não é bom para mim)... só na minha turma houve 3 notas melhores que a minha, mas logo veremos se preciso de repetir para o ano ou não. Não fui uma surpresa para ninguém, nem para os meus pais. É nestes momentos em que agradeço o facto de ter uma irmã médica que, antes de o ser, fez 4 exames de Biologia, sendo que no primeiro tirou 12, depois 14, depois 16 e depois 18. Os meus pais já passaram por isto 4 vezes, por isso não foi surpresa o espalhanço: é inevitável... Biologia é sempre a mesma coisa. Mas bem, vamos lá ver se a proeza não se repete na 2ª fase. Boa sorte para todos na mesma posição! Só falta uma semana e estamos de férias e a caminho do melhor ano do secundário... pensar positivo! Beijinho*

sábado, 11 de julho de 2015

Ai, Dan Reynolds.

Para o ano, se vierem Ed Sheeran, James Bay, Sam Smith, Imagine Dragons, Kodaline, One Republic, Muse, Lorde, Coldplay, MGMT (no mínimo 3 dos 10) ao mesmo festival, eu compro o passe de 3 dias. NÃO QUERO SABER, MÃE! 

Na verdade, nem que venha só Ed, eu vou. Mas só a um dia. A menos que ele atue nos 3 dias.

wishlist update

Fazer um interrail

Vamos a meio do ano e, desde o início de 2015, realizei... 5 desejos da wishlist. Claro que não conheci o Ian e a Nina, claro que não fui à Tailandia, claro que não vi a Candice ao vivo. Comi panquecas, lancei um balão chinês, tirei fotografias debaixo de água, vi Fifty Shades of Grey no cinema e acabei o 11º com média que ronda os 19. Nem sequer consegui a proeza de ter mais de 17 nos dois exames (onde é que eu estava com a cabeça quando achei que ia conseguir mais de 17 a Biologia?). A parte engraçada da wishlist é que há desejos que dependem só de mim, outros que só dependem de outras pessoas, outros que dependem de mim e das outras pessoas; há os básicos e facilmente alcançáveis e depois há aqueles que só se realizarão por milagre. Extraordinariamente, os do último tipo (há para lá cerca de 25 desses) são os que me dariam mais gosto. Mas não é sempre assim? 

Filmes | Inception

Inception é, provavelmente, o filme que vi mais vezes, desde sempre. Sempre que sei que alguém não viu, faço questão de ver com a pessoa, mesmo já o tendo visto milhões de vezes e conhecendo a história de trás para a frente e nunca recuso quando sugerem vê-lo numa aula ou numa noite em casa de alguém. Arrisco em dizer que, se tenho um filme preferido, é este. Há necessidade de dizer que foi realizado pelo... adivinhem... Christopher Nolan? Pois, bem me parecia.


"Dom Cobb é um talentoso ladrão, o melhor na arte da extracção: ele rouba segredos e ideias às pessoas diretamente das profundezas das suas mentes, durante os sonhos – estado em que a nossa mente está mais vulnerável. A rara habilidade de Cobb fez dele uma das pessoas mais influentes neste novo mundo de espionagem empresarial, mas também fez dele um fugitivo internacional e custou-lhe tudo o que já amara. Mas agora foi-lhe oferecida uma oportunidade para se redimir. Um último trabalho pode devolver-lhe a sua antiga vida. Em vez do assalto perfeito, Cobb e a sua equipa de especialistas têm exatamente de fazer o inverso: instalar uma ideia na mente de alguém. Se tiverem sucesso, poderá ser o crime perfeito. Mas todo o cuidado é pouco, pois têm um perigoso inimigo cada vez mais perto, que só Cobb poderia ter visto aproximar-se."

A sinopse não lhe faz jus, mas eu também vou tentar não fangirlar aqui muito, caso contrário, ninguém vê o filme e não queremos isso. Apresento-vos uma pequena listinha do porquê de o ter visto, sem ninguém mo ter indicado:

1) Leonardo DiCaprio.
2) Christopher Nolan.
3) Joseph Gordon-Levitt.
4) 8,8 no IMDb.
5) Era um filme recente, quando o vi. (Foi lançado em 2010.)
6) Instalou-se logo um burburinho, quando saiu.
7) Tom Hardy.


Agora, para vocês que me estão a ler, não precisam de o ir ver às cegas ou de não ver com medo de não gostar. Garanto-vos que é impossível não gostar deste filme (desde que não estejam no mood para Mean Girls e decidam ver antes isto). Pensem bem: o que é que podia correr mal num filme em que as pessoas estão conscientes nos seus próprios sonhos e o seu trabalho é roubar ideias/plantar ideias na mente de outros? Nada. Absolutamente nada. Prometo-vos intriga, ação, 148 minutos sem tirar os olhos do ecrã, muita pesquisa sobre teorias após acabar, muita indignação e ódio temporário pelo realizador (não, não estou a dizer  que o principal morre ((e também não estou a dizer que não morre))). Se gostam de filmes que vos deixam a pensar neles, mesmo quando já o viram há uma semana, this is it
Aproveitem! O que eu não dava para ver este filme outra vez, como se fosse a primeira...

Tenho um grupo que alinha em tudo, que pode sempre, que quer sempre. Tenho outro em que se demora 3h a marcar uma coisa, metade não pode e, meia hora antes da combinada, se desmarca tudo.

sexta-feira, 10 de julho de 2015

as minhas pessoas favoritas... #1


...são as que têm coisas marcadas com o/a namorado/a e, quando lhes perguntamos se querem ir sair, respondem "posso levar o/a X?" em vez de "não posso, já tinha combinado com o/a X".

Filmes | Memento

"Meu. Deus." são as primeiras palavras que me ocorrem, não fosse o realizador deste filme o grande Christopher Nolan. Deixo-vos a sinopse e um breve comentário:

"Leonard é um investigador de seguros, com a memória perturbada devido a um traumatismo por ter intervido aquando do assassinato da sua mulher. A vida de Leonard alterou-se completamente e hoje vive apenas perseguindo a vingança: encontrar e castigar o homem que matou a sua mulher. A dificuldade de encontrar o assassino vem do facto de Leonard sofrer de uma rara e incurável perda de memória. Embora consiga lembrar-se de momentos antes do acidente, Leonard não consegue lembrar-se dos últimos 15 minutos... Onde está... Onde vai... E porquê... Para manter algumas recordações, Leonard anota os acontecimentos importantes de sua vida em pedaços de papel e chega mesmo a tatuar algumas frases e nomes no seu próprio corpo."


Memento é um filme que, sendo sincera, ainda não entendi por completo, até hoje. Em pouco menos de 2 horas, trocou-me as voltas todas e cheguei ao fim a achar-me a pessoa mais ignorante que já pisou o planeta. (Garanto-vos que se o virem, ficarão com a sensação de que são as pessoas mais burras à face da Terra.) Não é um filme fácil, de todo, e duvido que a maior parte das pessoas da minha idade fosse adorar vê-lo. É já de 2000, não fala em casais fofinhos, pessoas com cancro, bullying, gravidezes prematuras mas que até correm bem nem nada desse tipo de assunto, com que somos injetados hoje em dia. Mas está classificado com 8,5 no IMDb e isso não é por acaso. Se é um filme que veria vezes sem conta? Não, de longe. Memento é um filme perfeito para se ver uma vez, porque há muitas partes mortas que não seria interessante repetir, ou duas, para, depois de sabermos a história toda, tentarmos perceber o que raio se passa no filme mais confuso já feito. Mas é, sem dúvida, um filme genial, muito bem pensado e que, segundo os cientistas, retrata, como nenhum outro, a amnésia retrógrada. "Vale mesmo a pena?" Sim. 

quinta-feira, 9 de julho de 2015


O meu ex e "a minha melhor amiga" a flirtar no chat de grupo.
Isto está a ficar tão ridículo que mais vale rir-me.

here are the answers!!!


Compro mais roupa preta ou branca?
Branca. Gosto muito de preto, mas sempre que vejo alguma camisa/top/vestido, os meus olhos desviam-se imediatamente para o modelo branco. 

Prefiro loiros ou morenos?
Esta tinha rasteira. Escolher entre o Chris Hemsworth e o Jamie Dornan? Não, obrigada.
Mas vá, tendo em conta o número de rapazes em quem já tive uma crush... morenos.

Qual é o meu filme preferido da Barbie? (eu avisei)
Barbie e as 12 princesas bailarinas (não fosse eu apaixonada por ballet desde os 5 anos), seguido do Lago dos Cisnes (a mesma coisa) e a Rapunzel. 

Sou loira ou morena?
Morena.

Meço mais ou menos de 1,60m?
Mais (cerca de 1,66m).

Tenho um iPhone ou um Galaxy?
Team Apple: iPhone.

Qual é o meu filme preferido do Nicholas Sparks?
Dear John! Embora The Notebook seja um clássico (e ocupe o 2º lugar no meu top Nicholas Sparks), Dear John partiu-me o coração de uma maneira que ainda mais nenhum filme o fez. Foi o primeiro que vi dele e continua a ser o meu favorito.

Tenho irmãos?
Sim, uma irmã mais velha.

O meu cabelo é encaracolado ou liso?
Encaracolado.

De que cor são os meus olhos?
Castanho avelã.


Muito surpreendidas com as respostas? eheh Beijinhos*

Se me chamasse Sara Tancredi, passava a vida a dizer o meu nome. Ainda por cima ela é médica, portanto fica: Doctor Sara Tancredi. Só quem vê Prison Break pode perceber o quão bem soa.

quarta-feira, 8 de julho de 2015

alguém quer tentar a sorte?

Vamos lá ver qual é a ideia que têm de mim/se têm sorte a responder ao calhas eheh
Aviso: algumas perguntas podem ser (e são) ridículas.

Compro mais roupa preta ou branca?

Prefiro loiros ou morenos?

Qual é o meu filme preferido da Barbie? (eu avisei)

Sou loira ou morena?

Meço mais ou menos de 1,60m?

Tenho um iPhone ou um Galaxy?

Qual é o meu filme preferido do Nicholas Sparks?

Tenho irmãos?

O meu cabelo é encaracolado ou liso?

De que cor são os meus olhos?

Haverá, algum dia, algum filme de animação melhor do que O Rei Leão?
Duvido seriamente.

Harry Pottah


Sabem uma coisa sobre mim? Nunca vi todos os filmes de Harry Potter, tampouco li os livros. Apesar de ter sempre algum filme/série mais urgente para ver na hora em que podia fazê-lo, não posso negar que o mundo de Harry Potter me fascina, de certa forma. Tal como me fascinam quase todos os filmes em que, do outro lado do mundo, está a acontecer alguma coisa que é "impossível" e sobre a qual quase ninguém tem conhecimento. E fascina-me, porque, na verdade, isso poderia estar a acontecer agora mesmo. Nos filmes, também só as personagens é que sabem 'daquilo'... e quanto aos outros milhões de comuns mortais? Podemos ser nós, agora mesmo. Por outro lado, Harry Potter tem aquela parte toda do colégio gigante, de viver com amigos, de resolver tudo com uma varinha, de ter aulas sobre feitiços e de fazer jogos a voar com vassouras que, sem dúvida, encantam. Não sou a maior fã de ficção que por aí anda, atenção! Mas acho que é bom que existam este tipo de filmes que nos fazem sonhar um bocadinho com vidas e mundos paralelos. Digo o mesmo em relação a As Crónicas de Narnia, Lord of The Rings, The Hunger Games, Divergente, Instrumentos Mortais e até, arricaria, Twilight... 

ouvi algures #4


"The cure for anything is salt water. Whether it's sweat, tears or the sea."
- no Tumblr

Um amor só se esquece com outro. Então, a partir do momento em que alguém se apaixona pela primeira vez, está condenado/a a ser infeliz, ou seja, a sofrer pelo/pela ex até aparecer outro alguém? Pensamentos sobre o assunto?

Seguidores

Google+ Followers

About me

Blog Archive