sábado, 25 de outubro de 2014

porque é que eu adoro aquelas 7 pessoas da minha turma?

D: Fiz um remake do sketch de Filosofia.
Eu: E em que é que consiste esse remate?
       Ai, espera tu disseste "remake", e não "remate". Só posso ser burra.
D: Dislexia é uma coisa que toca a todos quando estamos com sono, é a diva.
     *vida.

sexta-feira, 24 de outubro de 2014

just to be clear


O que eu sinto pelo N não é definitivamente "nada", mas também não é amor. Não quero ser só amiga dele, mas não quero meeeesmo uma relação agora. Fico aborrecida se falarmos todos os dias por mensagem, mas sinto a falta de uma conversa ou outra. Sei perfeitamente que não estou numa altura em que tenha tempo/paciência para estar com alguém, mas também não estou preparada para o ver seguir em frente, caso ele o queira fazer.

Ele já deixou bastante claro o que quer, e eu também tenho, na minha cabeça, tudo bastante claro. Só tenho medo é que o que eu quero para mim não seja o suficiente para ele (e, no fundo, eu sei que não é). 

sábado, 18 de outubro de 2014

I suck


No outro dia estava com a C no corredor, num dos intervalos. Estávamos a rir de qualquer coisa e, de repente, vimos a AC sozinha, a sair da casa de banho e com os olhos super vermelhos. Fomos logo ter com ela, claro, e, mal perguntamos o que se passava, desfez-se em lágrimas. Encostamo-nos a uma parede perto das escadas e conseguimos que ela desabafasse um bocadinho. Depois da miúda contar o que se passava (tem a ver com o pai dela, que tem problemas psiquiátricos), a C falou com ela durante um tempo infinito. É por isso que a adoro, tem sempre a palavra certa; sabe sempre o que dizer. Confortou-a, e até eu fiquei convencida com o discurso inspirador. Eu limitei-me a olhar para ambas feita parva e sem conseguir dizer uma palavra. Não porque fiquei chocada com a história, mas porque a minha relação com ela está tão nula que eu não fazia ideia do que havia de dizer para a consolar. O meu lado negro quis perguntar-lhe onde estava o seu namorado naquele momento e quis perguntar-lhe também se costumava contar a vida dela a desconhecidos que encontrava na escola - porque é isso que somos agora. Até tenho vergonha do que pensei, mas a verdade é que me magoa imenso o que ela se tem vindo a tornar. Apesar disso, espero sinceramente que corra tudo bem. Só não vou conseguir estar lá para ela quando ela precisar. 

quinta-feira, 16 de outubro de 2014

QI elevado

Eu: Professora, se nós dissermos "todos os seres vivos são mortais", é uma proposição do tipo A e os dois termos são distribuídos, porque os seres vivos são as únicas coisas mortais. Logo, a regra nem sempre se aplica.
Prof: Ai tudo o que morre é um ser vivo? E as plantas?

terça-feira, 14 de outubro de 2014

tinha saudades de...

Um bom episódio de The Walking Dead.

domingo, 12 de outubro de 2014

luta de almofadas

Engraçado ter publicado este gif no outro dia. Também aconteceu ontem.
E acertou-me no olho. E depois não conseguia parar de chorar, feita anormal. Grrr

sábado, 11 de outubro de 2014

Yesterday - parte 2

Fui embora por volta das 19h e às 20h já estavam elas cá em casa, prontas para a festa. Foi o meu pai quem nos foi levar e, mais tarde, buscar. Nunca tinha ido a casa do Z, mas também não fiquei a conhecer muito. Fomos para um salão no piso de baixo, à beira da garagem, onde ele tem um plasma grande, sofás e uma mesa de bilhar. De resto, fui à cozinha tratar das pizzas - quando o Z quis apostar comigo que eu e o N íamos voltar - e, depois de comer uma fatia, para a sala de cima tentar dormir. O cheiro das pizzas deixou-me muito enjoada e fiquei ali até por volta das 22h - quando ele chegou. 

Quando desci para o salão estavam todos às escuras a escolher um filme de terror.
Eu: vamos mas é ver A Culpa é das Estrelas.
C: O N já fez essa piada há bocado, antes de chegares.
Depois de seguirmos uma sugestão dele, começamos a ver Massacre no Texas aka dos piores filmes que já vi. Não acho grande piada a vermos filmes em grupo. Acabamos por perder muito tempo calados a olhar para um ecrã em vez de estarmos todos a falar, brincar ou jogar a qualquer coisa. Quando acabou ainda jogamos um bocadinho de snooker e eu pude mostrar os meus dotes! Estávamos cerca de seis pessoas à volta da mesa e fiquei sozinha com ele a fazer competiçõezinhas. Foi uma noite gira mas soube a pouco, espero que se repita e, para a próxima, não vou deixar que passemos grande parte do tempo a ver um filme. 



O dia de ontem foi giro, uma espécie de escapatória ao que tem sido o meu começo de ano letivo em termos de demasiado estudo, não sair de casa, estar com vida social praticamente nula, passar os meus tempos livres a ver séries e pouco falar com o pessoal do grupo com quem estive ontem, principalmente o N. Adoro a relação que temos quando não namoramos nem temos nada, mas estamos naquela de nos aproximarmos de novo. É isso que me está a impedir de seguir em frente (fora a parte super stressante de não saber ler mentes e não perceber se estamos ambos a sentir isto). De qualquer das maneiras, valeu a pena nem que seja por vê-lo, ao final da noite e já em casa, a falar no chat de grupo com um "xp" no final das frases - o meu smile, em vez do agora habitual "xb" - smile da K. As pessoas alteram a sua maneira de escrever conforme as pessoas com quem costumam trocar mensagens. Sempre usou "xp", agora usa "xb", mesmo não fazendo ideia que eu sei que é a K escreve assim. Parece insignificante mas não é assim tanto... it breaks my heart. 

Por falar em K, hoje ele vai a um jantar (a esta hora, já lá está) de uma rapariga que eu conheço mas que não é suficientemente próxima a mim para me convidar para a sua festa. No entanto, é muito amiga da K....e da C. Portanto, já lá tenho a minha agente infiltrada, atenta a qualquer sorriso, olhar, movimento ou conversa que possa vir a existir entre aqueles dois. I've got my eyes on you.

yesterday - parte 1

Ontem, tal como vos tinha falado, foi o jantar em casa do Z. Mas comecemos umas horas antes.


Na quinta-feira à noite, na conversa de grupo, decidimos almoçar juntos, apesar do tal almoço acabar por se prolongar para café, lanche e tal. Fomos almoçar ao snack bar/pastelaria habitual perto das escolas, mas houve gente que se cortou e por isso eramos só uns sete. Ficamos por lá até às 16h, quando o Z, o N, a J e a AS tiveram uma reunião por causa das listas. Era suposto eu ir para casa estudar e a C ir para o centro de estudo, mas decidimos que estava demasiado bom tempo para nos fecharmos dentro de quatro paredes. Assim, fomos para uma esplanada muito conhecida cá e aproveitamos para estudar lá um bocadinho. Quando saíram da reunião, os outros voltaram a juntar-se a nós. Como agora só estávamos a ocupar uma mesa, estávamos muito mais perto e o N sentou-se à minha beira. Entre fotografias, vídeos, provocações, discussões sobre como se pronuncia "desoxirribonucleico" e sumos, passou-se a tarde. Entretanto a C foi ter com o pseudo-namorado (depois explico-vos), o Z e a AS foram-se embora e fiquei sozinha com a J e o N. Fomos até ao tal snack bar lanchar e às 18h30 a J teve de ir apanhar o autocarro. Fomos levá-la à paragem e lá foi ela.


Apesar de não ter uma conversa olhos nos olhos com ele há muito tempo, falamos como se andássemos na mesma turma e nos víssemos todos os dias. Não houve silêncios estranhos nem ninguém pôs a pata na poça, levamos sempre as bocas na brincadeira, e era mesmo esse o objetivo. Correu tudo lindamente, acho que toda a gente ficou surpreendida connosco e eu fiquei contente por conseguirmos superar o que aconteceu tão bem. Afinal de contas, é o que importa. Éramos demasiado próximos para estragarmos tudo assim.

Como ele ainda tinha que esperar mais uma hora até ter treino, voltamos à pastelaria, onde agora estavam, sentadas na esplanada, as nossas amigas que se tinham cortado do almoço. Estavam as duas e mais um amigo: uma das cadeiras estava livre, apesar de ter uma bolsa em cima - que eu ignorei, sentando-me lá. O N pegou noutra cadeira e sentou-se à minha beira. Passado (quê... dois minutos?) dois minutos, quem aparece do interior do estabelecimento, vinda da casa-de-banho? A K. Caloira de ciências da comunicação, com  carinha e altura de menina e a tal amiga do N. Caiu-me tudo e depois encaixei as peças: tinha-a visto nessa tarde e ela dava-se super bem com uma das raparigas que estavam connosco. O N olhou para ela, olhou para mim (eu vi, através da visão periférica eheh - que jeito que dá!) e depois abriu os braços, para que ela lhe desse um abraço, apesar de estar tão surpreendido com a sua presença quanto eu. 


"Olá I", fiz a minha cara de paisagem e respondi "Olá K". Deu-me dois beijinhos. Queria afogá-la. Sentou-se no sítio onde estava o rapazinho que entretanto tinha saído, ou seja, separada do N por um lugar: o meu - irónico. Não sei se dei muito nas vistas nem quero saber, as palavras que disse a seguir à saudação foram: "Eu vou indo", um minuto depois. Despedi-me deles e fui, a ouvir a Paris dos Magic Man até casa (estou tãããão viciada!) e secretamente contente, porque pensando bem: ela foi à casa de banho e quando voltou, eu e o N tínhamos chegado...juntos...sozinhos. E apesar de não ser nada do que pareceu... foi o que pareceu e ela não tem como saber a "verdade". Toma lá, miúda!

quinta-feira, 9 de outubro de 2014

requisitos

Acho que, mesmo sem nos apercebermos, todas temos uma lista básica mental de requisitos que um rapaz tem de ter para que possamos ter uma relação mais do que amigável com ele. A minha, depois de pensar um bocadinho inclui: 

- Não escrever com erros ("disse-mos", "assério" - POR AMOR DE DEUS!) nem falar como se vivesse no século passado ("vós tendes uma maneira de ver as coisas diferente da minha").

- Tem que falar inglês ou no mínimo perceber. Não é propositadamente, mas uso muitas expressões americanas/inglesas e não estou mesmo para levar com um "quê? fala português", de todas as vezes que isso aconteça. Eu sei que é estranho, mas fica logo excluidinho. 

- Ter piada. Isto, para mim, é tão, mas tão importante! Eu adoro rir-me, 90% do meu dia é passado a rir, e as pessoas que me fazem ficar tão alegre têm um cantinho guardado cá dentro. Não estou a falar de fazer rir por piadas feitas. Há, simplesmente, pessoas que têm um dom para dizer sempre a coisa errada na hora certa e fazem de conversas normais, conversas divertidas. Resumindo, o que quero dizer é: um rapaz engraçado pesa beeeeem mais na balança do que um que não o seja.




- Se me puser num pedestal, vai logo com o quinze. Não suporto os "és tão perfeita, nem sei como consegui que falasses comigo". Não tenho paciência para este tipo de rapazes. Se se achar num nível abaixo ao meu, nunca vai conseguir ter nada comigo.

- Um bocadinho relacionado com o de cima: tem que me responder à letra, não ter medo de me "ignorar" e de fazer parte daqueles joguinhos que dão piada a uma relação. Tem que perceber quando eu estou a brincar, tem que ter discussões comigo que ambos sabemos que não são discussões nenhumas e não me vir pedir desculpa meia hora depois, como se tivesse sido a sério e eu estivesse chateadíssima. Basically, que provoquem, desafiem, me ponham a mil à hora.




- Tem que ser inteligente. Tem que perceber as minhas piadas, por muito secas que sejam. Tem que ter aquele humor inteligente, à Damon. Tenho que conseguir ter uma conversa com ele.

- E, sem exageros, tem que ser fofiiinho. Fazer com que fique com ciúmes, que me enerve mas que a seguir diga que sou a pessoa mais importante do mundo para ele.


Realmente, isto de estar sem namorado torna-me uma pessoa diferente. Desculpem lá os posts melosos, aguentem-me! eheh

é disto

Ontem à tarde, o Z criou uma conversa de grupo com algumas das minhas pessoas preferidas, (ou seja: o grupo da praia, mas sem o pessoal que eu quase não conheço, e o N) para marcar um jantar em casa dele. O que se passou foi que se esqueceu de me adicionar e só me adicionou à noite, na altura em que o N estava a fazer o seu "discurso".

N: pronto, se calhar podemos ir, mas só a partir das 22h, por causa do treino.

Z adicionou I à conversa.

N: esquece, já não vou!
Eu: obrigada pelo convite, Z. Não sei se vou, mas se for, é só até às 22h. 


Não têm noção do quanto sentia falta deste tipo de conversas onde podem estar 15 pessoas, mas é como se estivéssemos só os dois, sempre a picar-nos mutuamente. Era assim all the time. É das coisas de que sinto mais saudades.

quarta-feira, 8 de outubro de 2014

hoje descobri que...


...adoro Matemática. 

terça-feira, 7 de outubro de 2014

messy hair, messy thoughts


Não sei que tipo de saudades tenho:
          - as do "Passamos por tanta coisa juntos!"; "Gostávamos mesmo um do outro"; "É engraçado as voltas que a vida dá"; "Foram bons tempos" - *sorriso nostálgico*. 
          - ou as do "Esquece o que eu disse há 3 meses atrás, eu preciso de ti. Vamos voltar ao que eramos, vamos lutar pela nossa relação". 


Mas espero sinceramente que sejam as primeiras.

segunda-feira, 6 de outubro de 2014

Mudanças!


Decidi fazer umas mudanças no blogue, estava um bocadinho farta dele como estava antes. Mudei o cabeçalho (desculpa Candice... deixa lá, passaste para a minha foto de perfil), o meu perfil, incluindo a identidade - de M para I, e adicionei uma coisinha lá em cima: uma playlist - já queria há muito tempo, mas não estava a conseguir colocar. No entanto, ainda tenho que a atualizar porque se trata de uma playlist antiga que tinha guardada e ainda não tive tempo para isso. Qualquer coisa, podem sempre pôr em pausa ou sem som eheheh. Agora vou mesmo estudar! Kissie*

estudar, estudar, estudar


Já tenho taaanto que estudar. Mas as aulas não começaram ontem? :(
Por outro lado, hoje recebi a questão aula de Matemática, a primeira 'coisa' para avaliação que fizemos este ano. Sabem quanto tirei? 20! Sem arredondamentos!!!! Não estou em mim de alegria. Não têm noção do quanto isto motiva! Até o meu pai me respondeu à mensagem com um "like" dos smiles do Iphone. Parto-me a rir quando ele faz isso. É para manter, por isso vamos lá! Vou tornar-me a M falsamente inteligente e estudar até cair para o lado!

Beijinhos,
I feliz e motivada :)

stuff that makes me happy #6 - Ed Sheeran


Ed Sheeran é definitivamente e irrevogavelmente o meu cantor preferido! Se ele não existisse, não haveria ninguém (que não a Lorde - mas com um estilo completamente diferente) para salvar a música de hoje. Tudo é tão comercial... Os Coldplay eram das minhas bandas preferidas e agora são o que são (há muitos exemplos do género). É tão raro encontrar alguém tão talentoso, que escreva todas as suas letras, componha todas as suas músicas, toque sozinho nos concertos e cante com uma voz que nos faça ao céu e voltar... Ele tem tudo isto e muito mais. É sem dúvida alguém que eu admiro profundamente desde que ouvi a Give me Love (que vai ser a minha música preferida, para sempre), em The Vampire Diaries (thank you TVD!). Estou viciadíssima no álbum novo (X), tal como já estive no anterior (+), e espero que ele volte a Portugal brevemente para ir poder ouvi-lo mais uma vez. Foi das melhores experiências da minha vida, acho que o meu coração parou quando ele entrou em palco. Um dia destes faço um post sobre a experiência que foi o Rock in Rio.

Este post podia encontrar-se em muitas rubricas: nesta, na "razões pelas quais tenho uma panca pelo...", na "músicas que arrepiam"... Mas achei mais adequado que se encontrasse aqui. Porque Ed é a minha escapatória ao mundo real: faz-me mesmo feliz.

Levem uma listinha das melhores, na minha opinião:
- Give me Love (+)
- The A Team (+)
- Kiss me (+)
- Small Bump (+)
- One (X)
- Photograph (X)
- Thinking Out Loud (X)
- Afire Love (X)
- I'm a Mess (X)

Quem não conhece, não faz meeeesmo ideia do que está a perder. Levem o conselho da maior fã de sempre  

domingo, 5 de outubro de 2014

menos


Hoje disseram-me algo em anónimo, numa rede social onde nunca deveria ter criado conta, uma coisa que me deixou chateada. Por outras palavras, chamaram-me wannabe e disseram que me ando a comportar como uma rapariga sem personalidade própria e que precisa de copiar as outras. Se há coisa que detesto é que me julguem de forma errada! Esforço-me sempre por me distinguir, quando possível. Não gosto particularmente que tenham roupa igual à minha, por isso, depois de saber que uma rapariga tem determinada peça de roupa, não a iria comprar; acho normal que numa wishlist de duas pessoas com objetivos parecidos a nível profissional e pessoal, haja desejos iguais e isso não quer dizer que eu copie a pessoa em questão; só porque gosto de ver frases escritas por cima de fotos e o faça regularmente, não quer dizer que esteja a copiar as raparigas que começaram a fazê-lo antes de mim, CERTO? Porque é que há pessoas tão atrasadas mentais?

5 diferenças entre mim e a A


Ela não gosta da Lorde, e adora a Lana. E eu NÃO CONSIGO FAZER COM QUE ELA GOSTE DA LORDE, CREDO! COMO É POSSÍVEL? Detesto a Lana, btw. Odeio as músicas e odeio vê-la a cantar, parece sempre que está em depressão e a morrer. Lorde rules!



 Ela é Team Stefan, eu sou Team Damon. Ela acompanhou a série por alto só até à 3ª temporada, por isso perdoo-a. 



Ela não acha o Orlando Bloom bonito. Preciso de comentar a minha opinião?



 Ela não gosta de High School Musical; eu passo a vida a falar dos filmes e, sempre que me lembro, revejo. Pelo Zac, pela Van, pelos dois juntos, pelas músicas que eu adorava/adoro, pela mensagem que passa e por ser a saga de filmes da minha infância.



 Ela acha a Kristen Stewart bonita e não desgosta dela. Eu não a posso ver, basicamente. Ela só tem uma expressão facial e traiu o Robert Pattinson!!!!! Quem é que trai o Robert Pattinson?!!!!

10 razões pelas quais tenho uma panca #2 ... pelo Ian Somerhalder

1 - Damon.







2 - Delena.






3 - Nian.







4 - The eyes.




5 - O amor por animais.




6 - Half smile.




7 - Eye thing.




8 - A gratidão e a interação com fãs.





9 - A relação com o Paul Wesley aka co-star. 





10 - He's a good kisser.


músicas que arrepiam #3

"and babyyyyy, it's amazing I'm in this mase with you
I just can´t crack your codeee: one day you're screaming you love me loud, the next day you're so cold; one day you're here, one day you're there; one day you care, you're so unfair"

Ainda entro na igreja ao som do primeiro 1:15. 

ainda não é oficial

Os professores de Inglês da escola estão a preparar uma proposta para levar ao pedagógico: uma viagem a Londres para o 11º!!!!! Quando a prof nos contou, na aula, ninguém ficou em si. Todos andamos sempre em escolas públicas, crescemos a ver os meninos da privada a andar pelo mundo e nós em casa, visto que é muito raro escolas públicas fazerem viagens deste género. No entanto, os alunos de espanhol vão a Barcelona todos os anos e por isso começamos a fazer birrinha. Acontece que somos muitos mais alunos e vai ser impossível ir tanta gente. Há um número máximo de inscrições porque não há professores de Inglês suficientes (tem que haver 1 prof para cada 11 alunos), e por isso o pedagógico costuma reprovar a proposta. Não quero saber, sou expert em criar expectativas, por isso se não for para ir, consigo lidar bem com a deceção (that was depressing). Estou super entusiasmada! Já estive em Londres e gostei muito, mas viajar com amigos é outra coisa! Se acontecer, tenho a certeza que vai ser das melhores experiências que viverei. 

Estado: ANSIOSA!

Pontos altos da semana

As melhores voltaram!!!!!!! A isto chama-se felicidade eheheh

The Vampire Diaries: temporada 6, episódio 1

Revenge: temporada 4, episódio 1

músicas que arrepiam #2

Não é bem arrepiar... é mais provocar 1283129 sensações.

indiferença


Eu sabia que isto podia acontecer e torci mesmo para que não, mas tenho os meus momentos de fraqueza e um concerto de cidade, à noite, na mesma altura em que começamos a "namorar" no ano passado, em que o vocalista começa a cantar uma das nossas músicas e ele está a um metro de mim, é demasiado. Consigo suportar muito bem a distância se não tiver que o ver, porque um segundo com ele já é tortura. Já passamos por tanto e eu consegui estragar tudo de todas as vezes. Sou complicada e não posso brincar continuamente com os sentimentos dele, mesmo não o fazendo de propósito. Só quero aquilo que não tenho. Quando o tinha, era o que era. Agora não o tenho e cada vez me é menos indiferente. 

Seguidores

Google+ Followers

About me