quinta-feira, 30 de abril de 2015

FASHION | some shoes I've been dying for

Uns de acordo com a época, outros nem tanto... apaixonada por todos!

quarta-feira, 29 de abril de 2015

god help me


Não sei o que se anda a passar comigo, mas não posso andar psicologicamente bem. Estou uma irresponsável de primeira e começa logo pelo facto de estar aqui a escrever em vez de estar a estudar para o teste de amanhã. 
Ultimamente, parece que só consigo fazer as coisas à pressão. Tive uma semana (ou mais) para estudar para este teste e, em vez de aproveitar esse tempo, não fiz nada de jeito. Sentava-me à mesa, com os livros à frente, mas passado três horas ainda estava com a mesma página aberta. Mesmo sabendo que não estava nada bem na matéria, por alguma razão, não me consegui concentrar no que estava a fazer e isto tem-me acontecido frequentemente (a não ser na véspera da avaliação, claro! logo à noite, estou-me mesmo a ver a estudar mais do que durante a semana inteira). Estou preocupada com esta situação, porque, apesar de o estudo me render 5% por tarde, fico tão cansada como se tivesse estudado intensamente durante 5 horas seguidas e até parece que fiz muito - não fiz nada. Comparativamente a outros testes e períodos passados, por esta altura, já teria feito todos os exercícios do GAVE, os do livro, os do caderno de atividades, as fichas da professora, os testes antigos da minha irmã e ainda teria ido buscar mais alguns ao google... portanto, está-se mesmo a ver o espalhanço que vai ser amanhã. Alguma sugestão para que eu ganhe consciência da minha irresponsabilidade e consiga meter na cabeça que tenho que estudar com tempo, ou vai só mesmo ser quando receber um 14 ou um 15 a alguma disciplina? 

sexta-feira, 24 de abril de 2015

se virem alguém assim, sou eu #6

1 - Overall bordô.
2 - Camisola preta.
3 - Calças brancas justas.
4 - Mala preta.
4 - Relógio preto e prateado.
5 - Chapéu preto.
6 - Batom bordô.
7 - Verniz preto da Chanel.
8 - Botas pretas até ao joelho.
9 - Colar prateado com vários pendentes.

that bitcher we all hate in high school

A saga com a minha professora de Biologia deve estar, por esta altura, por volta do quinquagésimo volume. Relembro que é uma professora que já passou todos os limites possíveis e imaginários que algum professor pode chegar em relação a um aluno (exceto bater-me ou atropelar-me). Acho que nunca odiei tão genuinamente um professor: tudo o que ela faz ou diz irrita-me profundamente. Não consigo suportar o falso sorriso que ela faz quando passa por nós nos corredores, quando nas aulas é uma filha da mãe para toda a gente. Claro que o ódio de estimação preferido dela sou eu. Embora já esteja habituada, ainda não percebo muito bem porque é que todos os professores e desconhecidos em geral têm tendência para não me poderem ver à frente. Maybe I'm the problem. De qualquer das maneiras, continuo a achar que não me devia sentir desconfortável quando sei que vou ter aula de Biologia no tempo a seguir. E isto só acontece porque eu sei que ela vai sempre arranjar alguma coisa para criticar em mim: ou estou distraída, ou distraio todos os meus colegas, ou não me rio de uma piada estúpida qualquer que ela faça ou de um palavrão que lhe saia a meio das frases, como já é habitual. Como me deu 18 no período passado, não perde uma oportunidade que seja para dizer "depois queres 18"; "uma aluna de 18 não tem esse tipo de dúvidas"; "já estou arrependida de te ter dado o 18". Hoje não falei a aula toda e ainda assim conseguiu chamar-me à atenção (a A e o D são à minha beira e estavam a conversar). 


Mas, na verdade, ontem foi quando me passei verdadeiramente. À quinta-feira à tarde temos sempre aula de apoio de preparação para exame e depois o meu pai costuma ir buscar-me para me levar à explicação. No entanto, não consegui falar com ele para combinar as coisas antes de começar a aula. Mal me sentei à beira do J, como o normal, e deixei um espaço para a A do meu outro lado, desviei-me um bocado para o lado dele para ouvir a prof, que estava sentada na sua secretária, para variar. Nem um segundo tinha passado, nem tinha aberto a boca. Quando pôs os olhos em mim, interrompeu o que estava a dizer e começou aos berros "Uuuuuuuui, a M (chamou-me pelo apelido, o que também não acho piada nenhuma) à beira do J? É que nem pensem que dou aula assim! Na, na... Ainda por cima já está ali o lugar guardadinho para a A... Isso é que era bom. M, aqui para a beira da L." Expliquem-me que raio de professora troca os lugares dos alunos numa aula de apoio sem eles sequer terem falado uma única vez. É só implicância e mania do poder. Mas continuou.


Quando a M tirou uma dúvida um pouco ou muito desnecessária, a prof respondeu-lhe mal "era só essa a tua dúvida? Por amor de Deus, assim nunca mais chegas ao 20! Nunca mais avanças eu sou professora de Biologia, não sou de Química." Claro que ela começou logo a fazer beicinho, porque não é normal, de todo, um professor reclamar com ela. Ficou logo com cara de enjoada, prestes a chorar e nem olhou para a professora enquanto ela lhe explicava a dúvida. A seguir à explicação, a prof pediu-lhe desculpa e eu só lhe quis atirar com o porta-lápis à cara. Quer dizer, já me chamou de tudo em frente à turma toda, já me criticou todo o tipo de coisas, já me disse que eu não tenho capacidades para alcançar os meus objetivos e, no meio de tudo isso, nunca, nunca teve nenhum reflexo de arrependimento. Mas basta a menina queridinha fazer má cara, que tem logo que se lhe pôr paninhos quentes e passar a mão pelo cabelo: "claro que eu não devia ter falado assim", "desculpa, fui injusta", etc. 

A melhor de todas foi quando o meu pai me ligou a meio da aula. Ela estava a explicar uma dúvida qualquer à Al e estava toda a turma a falar, quando eu pergunto se podia ir atender uma chamada lá fora, rapidamente, ao que ela responde: "Podes, vai lá... Não sei porque é que vos ligam se sabem que estão em aulas, mas pronto, esse é outro assunto". Bati a porta com mais força por causa dessa boca. Ela é a pessoa mais hipócrita e nojenta que eu já conheci. O telemóvel dela toca praticamente todas as semanas e ela começa sempre a rir-se e pede desculpa, como uma criança quando é apanhada em flagrante a fazer asneiras. O mais engraçado é que, há uma semana atrás, na aula de apoio, a filha dela ligou-lhe e seguiu-se exatamente isto: "Ai, é a minha filha. Não sei porque é que ela me está a ligar se sabe que estou em aulas..." - e fica a olhar para o telemóvel a morder o lábio, enquanto ele toca - "Vou atender." - e atendeu no meio da sala, com 13 alunos a olhar para ela, feitos parvos, com a explicação interrompida e a ouvir toda a conversa que durou mais de dois minutos. Se ela pode fazer isso sem qualquer tipo de problema (sim, porque ninguém levou a mal, como é óbvio), porque raio é que eu não posso sair durante 30 segundos quando a minha presença na sala nem sequer está a ser relevante no momento e não estou a interromper um momento sério de revisão ou algo do género? 


Não dá para expressar o quanto estou farta desta pessoa, de a ver a ser ridícula todos os dias, incoerente, injusta, mal-educada, parola, baixo-nível e infantil. Não posso mesmo ver a cara dela à frente e não aguento, de certeza, outro ano com aquela bruxa. O que me vale é que falta pouco e que depois nunca mais tenho que a ver à frente. Estou a considerar mandar-lhe um e-mail, no fim da 2ª fase, onde ela perceba bem explicitamente tudo o que eu penso dela. Talvez lhe mande o link dos posts ou talvez escreva uma carta a insultá-la da mesma maneira que ela me insulta mas à qual, para já não posso responder. Até lá, espero que ela se acalme, tenho coisas bem mais importantes com que me preocupar do que em fazer com que ela goste de mim. 

sábado, 18 de abril de 2015

se virem alguém assim, sou eu #5

1 - Vestido branco, largo, com renda.
2 - Botas castanhas rasas, com detalhes.
3 - Blusão de ganga clara.
4 - Brincos pérola brancos.
5 - Mala de tiras castanha.
6 - Óculos castanhos.
7 - Colar com vários pendentes.

domingo, 12 de abril de 2015

se virem alguém assim, sou eu #4

1 - Camisola fina às riscas pretas e brancas.
2 - Overall camel.
3 - Calças brancas justas.
4 - Chapéu preto.
5 - Botas rasas pretas.
6 - Óculos pretos cateye.
7 - Anéis dourados.
8 - Verniz beje.
9 - Iphone branco.
10 - Mala cinza da Michael Kors.
11 - Relógio branco e cobre. 

sábado, 11 de abril de 2015

se virem alguém assim, sou eu #3

1 - Overall cor-de-rosa bebé.
2 - Calças de ganga claras rasgadas no joelho.
3 - Camisa branca.
4 - Mala da Prada branca.
5 - Relógio branco e cobre.
6 - Batom nude.
7 - Brincos brilhantes.
8 - Verniz branco.

quarta-feira, 8 de abril de 2015

I'm no angel - o cúmulo do ridículo



Eu e a minha mania de ter sempre uma opinião sobre tudo.
Desculpem-me as gordas deste mundo, mas não podia haver tema mais batido e sobrevalorizado sobre o qual fazer uma campanha (ridícula, a propósito). Se estão chocadas com o "gordas", podem parar já de ler. Não há cá paciência para florzinhas de cheiro. A mim nunca ninguém teve problemas em chamar magra, por isso se estão ofendidas, saibam que são as primeiras a fazer distinção entre vocês e 'o resto da sociedade'. 

Para começar, já não há pachorra para a típica frase: "real women have curves". Deixem-me aplaudir a vossa hipocrisia e estupidez ao defenderem que todas as mulheres são lindas à sua maneira e ao mesmo tempo dizerem que as magras são uma merda e que ser gorda é muito melhor. Afinal de contas, os homens gostam de ter onde pôr as mãos, carago! Ninguém quer andar com um monte de ossos, portanto... Gordas! Gordas! Gordas!

Em segundo lugar, a campanha é mais um 'deitar abaixo o resto do mundo' do que um 'subir a nossa própria autoestima'. E o nome diz tudo, por si só. Tiveram que fazer ali um trocadilho com as angels da Victoria's Secret, como quem diz "eu não tenho o corpo daquelas modelos, e então?". Até achava muito bem SE alguma vez a Victoria's Secret tivesse imposto algum tipo de corpo ou tido alguma atitude ofensiva para com as mais volumosas. Como tal não aconteceu, não percebo a revolta que se tem verificado nos últimos tempos. É porque as modelos são todas lindas de morrer e não temos todas a sorte de nascer com esses genes? Opá, acontece. Ou vamos também reclamar com Hollywood porque a Angelina é linda demais e sentimo-nos mal ao vê-la no grande ecrã? Aliás, continuem a dizer que elas são todas anoréticas. Até porque nem se trata de uma marca que promove diariamente um estilo de vida saudável, alimentação equilibrada e exercício físico. É porque a Victoria's Secret não vende tamanhos maiores de lingerie? Opá, azar... Queremos mandar na empresa dos outros, agora? Era o que faltava eu agora dirigir-me ali a uma loja plus size e exigir que me vendam roupa do meu tamanho. Se não vos serve, têm mais é que ir comprar a outro lado... ora esta!

O que eu vejo são pessoas com peso a mais que querem à força ser aceites pela sociedade para poderem continuar sentadas no sofá a comer hambúrgueres e batatas fritas. Tenho muito respeito pelas que fazem por mudar o seu estilo de vida, mas sejamos sinceras: a maior parte nem sequer se sente bem no seu corpo, sabe que não leva uma vida saudável e prefere continuar assim, MAS ATENÇÃO: desde que não lhes chamem gordas! Ter diabetes, colestrol e tensões altíssimas não é problema nenhum. Risco de AVC's, enfartes... e então? O problema é alguém constatar os quilinhos a mais a saltar do crop top. Pois bem, digam o que disserem, façam as campanhas que fizerem, saibam que vou continuar a ridicularizá-las, a recusar-me a apoiar a obesidade e, acima de tudo, a aceitar hipocrisia.

A Nina vai embora?! WHAT?


Durante o último ano, ouvi vários rumores de que uma das três personagens principais de The Vampire Diaries não tinha assinado o contrato para a sétima temporada, mas nunca liguei ao assunto. Afinal... boatos são isso mesmo. Mais recentemente, o número de notícias sobre o assunto tensão Nina-Ian cresceu exponencialmente, mas pensei "pois, deve ser complicado... mas eles têm mais é que ser profissionais". 


Há para aí dois ou três dias, houve uma grande polémica porque o Ian 'favoritou' uma foto da Nina, no twitter. Claro que os fãs fizeram logo grande filme, subiram hashtags e afins. Passado algum tempo, ele sai-se com "Claramente, fui hackeado. Uma brincadeira de muito mau gosto". Ora, de muito mau gosto e completamente desnecessário, Sr. Ian, era esse tweet e o retirar do 'favorito'. Então, namoraram durante 3 anos, são amigos e co-stars há 6 e ele sente necessidade de esclarecer o mundo de que não foi ele a colocar o gosto? Como se fosse um escândalo se ele o realmente tivesse feito... Por amor de Deus.

Também durante este fim-de-semana, o elenco de TVD e alguns outros profissionais envolvidos estiveram numa festa, num iate. Festa durante a qual a Nina publicou 32039 fotos, no Instagram. Festa também durante a qual um dos presentes colocou uma foto com legenda "Em honra da Nina Dobrev e do Michael Trevino". 

Os sinais foram demasiados e eu é que não quis ser pessimista, mas claro que a ideia me passou pela cabeça e, hoje de manhã, mal vi que uma amiga me identificou num comentário a dizer "vou morrer", soube imediatamente do que se tratava. Para quem quiser ler, este foi o texto que a Nina publicou na legenda de uma fotografia com a realizadora da série: 

Dearest TVD Family,
I've just spent the most beautiful weekend on Lake Lanier in Georgia with my own TVD Family, the cast and crew of The Vampire Diaries. I want to be the first to tell you that it wasn't just a holiday celebration, it was a goodbye party. I always knew I wanted Elena's story to be a six season adventure, and within those six years I got the journey of a lifetime. I was a human, a vampire, a doppelganger, a crazy immortal, a doppelganger pretending to be human, a human pretending to be a doppelganger. I got kidnapped, killed, resurrected, tortured, cursed, body-snatched, was dead and undead, and there's still so much more to come before the season finale in May. Elena fell in love not once, but twice, with two epic soulmates, and I myself made some of the best friends I'll ever know and built an extended family I will love forever.
There's more to come before we wrap this up, and I promise you'll get to hear all about my experiences over the next month as we approach the season finale (I have given an exclusive interview for the June issue of SELF Magazine that I am excited for you to see!), but until then I invite you to hop on the roller coaster ride that is Elena Gilbert's life and join me as I celebrate her and prepare to say goodbye to her -- and to my work family -- as I move on to the next chapter of my life. I want to share this goodbye with all of you (this weekend's pictures were just the beginning). You, the wonderful fandom who gave more love, support and passion than anyone could have ever imagined seven years ago, when a young Degrassi girl from Canada showed up in LA to audition for 'that Twilight TV show.' ;-) I love you all. Fasten your seatbelts. If you think you know what's coming, you don't.
Love, Nina

Só não chorei porque estava à mesa, tinha acabado de me maquilhar e não me queria borrar toda, ainda por cima à frente da minha mãe, cinco minutos antes de sair de casa, "por causa de uma série". É aqui a parte em que param de ler e pensam "que pita" e provavelmente têm razão, mas a verdade é que fiquei mesmo triste. Vejo TVD desde o ano em que começou, há seis anos que rio e choro, sigo atentamente e vibro com as histórias e evolução das personagens. Pode parecer estúpido (e é) mas sinto que fui crescendo com eles: fui-me apaixonando pelo Damon ao mesmo tempo que a Elena o fez, fui ficando "de luto" com a morte das minhas personagens preferidas, fui gostando cada vez mais da pessoa em quem a Caroline se estava a tornar... (Não têm noção da festa que fiz quando o Damon e a Elena se beijaram pela primeira vez ou quando a Katherine se fez passar pela Elena ou quando o Klaus voltou durante um episódio, já depois de estar em Originals.) TVD sempre foi a minha série preferida, sempre. Sei que tem piorado ao longo das temporadas, mas independentemente disso, os 40 minutos à sexta-feira para ver o episódio são sagrados, todas as semanas. Sem exagerar, devo ter convencido 20 pessoas a ver a série e foram 20 pessoas com quem falei 20 vezes do mesmo assunto, do mesmo episódio, do quão fofa foi determinada cena, do quão giro o Ian é, do quão bem ele e a Nina ficavam juntos. Falar deles é algo que faço todos os dias, mesmo que inconscientemente. Acho que é raro não o fazer, nem que seja uma vez por dia. Ao sair a personagem principal é como se a série tivesse acabado (ou pior)... parece que estão a arrancar uma parte do meu dia-a-dia.


Sinto-me como se tivesse desperdiçado 6 anos da minha vida com isto. Sem ela não há TVD e acabou. Pode ser irritante, chata, indecisa, uma seca... mas é a personagem principal! TUDO gira à volta dela, desde o primeiro episódio, em 2009. Se agora o final vai ser bom? Claro que não! Vai ser uma porcaria! Tanta merda durante este tempo todo a investir em Stelena/Delena (o que por vezes se tornou cansativo) e agora vão fazer uma temporada inteira sem ela, ou seja, o casal preferido de toda a gente, de todas as séries, não vai acabar junto: não há final feliz com o Damon para ninguém.


Já estive revoltada com o Ian, por ser um estúpido e a fazer sentir desconfortável, levando a nova namorada para o set, dando a conhecer ao mundo que nunca na vida poria voluntariamente gosto numa fotografia dela, etc.; já estive revoltada com a Nikki porque ela era amiga da Nina e mesmo assim meteu-se com o ex dela e porque ao namorar com o Ian "impediu"que eles voltassem... mas agora estou mesmo é chateada com a Nina. Parece que deu uma chapada a todas as pessoas que durante tanto tempo, como ela própria diz, a apoiaram em tudo. Tudo bem que ela só queria fazer a série durante 6 anos e o ambiente não deve ser fácil, etc., mas custava-lhe muito fazer mais uma temporada e dar a uma grande série o grande final que merece? Acho que foi tão, mas tão egoísta da parte dela que, sinceramente, é a única pessoa que consigo culpar pelo falhanço que vai ser a última temporada da minha série favorita e que não o seria, com certeza, se ela ficasse.

Anyway, thanks Nina, for 6 amazing years of "that Twilight show"

sexta-feira, 3 de abril de 2015

what if


Uma das coisas de que eu tenho mais medo é chegar aos 50 e perguntar "e se eu tivesse...?"

acho que até somos parecidas


É que NINGUÉM fica tão bem em selfies. Screw you, Candice.

Seguidores

Google+ Followers

About me