domingo, 31 de janeiro de 2016


Acho cada vez mais que as pessoas são demasiado sensíveis. Não sou, de todo, a favor do racismo ou da homofobia, mas parece que tudo o que se diz ou faz pode ser tornado em algo insultuoso. É impossível dizer algo publicamente ou fazer uma piada que não ofenda ou a raça preta ou os homossexuais ou as feministas ou os vegetarianos. Levam tudo como um ataque pessoal e começam a tornar-se insuportáveis.

terça-feira, 26 de janeiro de 2016

dica de estudo


Se quiserem estudar em casa, evitem estar confortáveis. É isso mesmo que leram. Descobri recentemente que é muito difícil concentrar-me no estudo se estiver pronta para dormir em dois segundos, portanto nada de tirar o sutiã, as botas ou vestir o pijama. É sentar na secretária como se estivesse na escola ou na biblioteca. E resulta lindamente!

sábado, 23 de janeiro de 2016

it's a closure


As coisas não melhoraram nem vão melhorar e está na altura de me habituar a isso. Eu e a Leonor continuamos sem nos falar e  a Francisca juntou-se a ela, como sempre, contra mim. O Tiago fala constantemente comigo para saber como estou e para me assegurar que não concorda com nada daquilo que elas dizem sobre mim, muito menos com as atitudes que têm para comigo. O que mais me enerva é a Leonor fazer-se de vítima à frente dos meus amigos, mostrar-se muito triste com a nossa separação e, no entanto, não ter tentado falar comigo uma única vez sobre o assunto. Isso e a Francisca passar a vida a dizer que me adora, quando claramente o caso é outro. Já estive quase a chamá-las a um canto e dizer tudo o que tenho a dizer, mas decidi que não vou fazer nada disso. Se elas estão com a consciência tranquila, depois de tudo, não vou ser eu a dizer-lhes que o que estão a fazer é errado e que ainda têm muito que crescer. 

Tenho que me convencer que nenhuma delas vai pedir desculpa, nunca, e que não preciso assim tanto delas. Elas são mesquinhas, infantis e têm atitudes completamente disparatadas. Vão continuar a dizer que manipulo as pessoas só porque essas pessoas vêm a situação da mesma forma que eu e, por mim, tudo bem. Tenho gente muito melhor do meu lado e daqui a umas semanas não me vai fazer confusão que elas saiam sem me convidar, digam que não podem ir não sei onde e depois saiam com o outro grupo, etc. Quem perde são elas, não sou eu.

2016 goals


Sei que já estamos no final de Janeiro, mas achei que os meus objetivos para este ano deviam ter uma publicação exclusivamente sua, de fácil acesso e com muita visibilidade, para não haver espaço para esquecimento. Para além disso ainda acrescentei mais alguns e quero mesmo riscar um por um!

Assistir à recuperação da minha mãe.
Entrar na universidade.
Fazer uma das viagens na minha lista.
Ver todos os filmes nomeados para Óscar.
Ir ao cinema, pelo menos, cinco vezes (1/5).
Viver com amigas.
Passar uma semana fora com amigos.
Remodelar o meu quarto.
Tirar 17 ou mais nos dois exames de 11º.
Tirar mais de 18 no exame de Matemática.
Ir a uma viagem de finalistas.
Ir a um parque aquático.
Conhecer Lisboa.
Ver os Kodaline.
Ver os Muse.
Ver o James Bay.
Comprar algo da Victoria's Secret.
Aumentar a minha coleção de maquilhagem.
Aprender a maquilhar-me como deve ser.
Jogar ao Quinze.
Acabar de ler After.
Ler Memorial do Convento.
Começar a ver, pelo menos, duas séries novas. (1/2)
Arranjar um hobbie do qual goste.

quarta-feira, 13 de janeiro de 2016

coisas que me tiram do sério


Pedintes em cafés. Pessoas que passam à frente em filas. Spoilers.

domingo, 10 de janeiro de 2016

2016 tem tudo para ser o meu ano


2015 foi sem dúvida um dos piores anos que vivi até agora. Mau a nível de realização pessoal, relações em geral, saúde, crescimento cultural, entre outros. A minha mãe ficou doente, não viajei para lado nenhum, deixei de falar com metade das pessoas que considerava amigos, não fui a nenhum concerto, tive os meus primeiros exames a sério e correram bastante mal para o que estudei... foi um ano esgotante. Quanto a 2016, tenho a sensação de que será bastante melhor e a palavra para este ano é ambição. O que vai acontecer? Leiam.



Ando a perder a cabeça na Kiko... Estou no processo de me tornar numa makeup addicted, ao nível da Kylie Jenner.

sábado, 9 de janeiro de 2016

bday girl - 17 aninhos


Ontem foi o meu aniversário e foi, sem dúvida, dos melhores que já tive. Começou às 00h, com o meu telemóvel quase a bloquear de tantas mensagens fofas e engraçadas que os meus amigos mandaram. A piorzinha foi mesmo a da Leonor, que parecia vinda de uma pessoa desconhecida. Enfim. 

Também ajudou o facto de ficar livre a partir das 10h por só ter uma aula à sexta-feira. Durante o intervalo, cantaram-me os parabéns aproximadamente 10 vezes, de cada vez que um professor que era ou já tinha sido meu passava por nós. A melhor parte foi quando a minha professora de Biologia do 10º ano passou, um amigo gritou "professora, a I faz anos", ela veio dar-me dois beijinhos e foi a correr à sala dos professores buscar bolo. Voltou, tirou velas da mala (não me perguntem porque raio é que ela tinha velas na mala), acendeu-a com fósforos que também tinha trazido e cantaram-me os parabéns novamente. Com tanto aparato, até uma funcionária, o subdiretor e diretor da escola vieram cumprimentar-me e felicitar-me. Senti-me deveras importante!

Às 11h fui com a Gabriela (A) e outra amiga minha ao Norte Shopping. Queríamos ir ao cinema, mas acabamos por passar o dia nas compras por não haver sessões a horas decentes. Duas amigas minhas, com quem não estou tanto tempo como queria, também foram lá ter e fomos todas lanchar ao Jeronymo (experimentei scones pela primeira vez e gostei muito!).

Recebi mensagens durante o dia todo (incluindo do André, dá para acreditar?), publicaram fotografias comigo, recebi chamadas de pessoas inesperadas e fizeram-me sentir a pessoa mais especial do mundo!

Quando cheguei a casa, a minha mãe e a minha irmã tinham a mesa posta para muitas mais pessoas que os quatro habituais cá de casa. Vieram jantar as minhas primas gémeas que adoro, o namorado de uma delas, a minha tia mais divertida e o namorado da minha irmã. Para comer o bolo, ainda vieram um tio e uma prima do lado paterno. A casa estava cheia de gente, como eu gosto, e o jantar e bolo estavam meeeesmo bons. Passamos a noite a falar de filmes, atores, celebridades em geral, Oscars e de vídeos engraçados do youtube. O dia acabou comigo a quase chorar. Recebi imensos presentes e adorei todos (eram mesmo coisas que eu queria e até estavam na minha wishlist do natal): um macacão, uma blusa, um casaco, uma carteira, umas botas e, aquele que eu não esperava, um bilhete para um dia à minha escolha do NOS Alive! Nem acredito que, este ano, vou a dois concertos e um festival... não estava mesmo nada à espera e não podia ser melhor.

Bem me disseram que os 17 são a melhor idade... para já confirmo, sem dúvida! 

segunda-feira, 4 de janeiro de 2016

Natal, Passagem de Ano e Regresso às Aulas

Adorei este Natal. Ao contrário dos anteriores, soube mesmo bem. Cada ano é um ano, não é? E há anos em que simplesmente não estamos virados para a coisa... este não foi um deles. As minhas primas pequeninas estiveram presentes e entre espetáculos de dança e cantorias, jogos e abertura dos brinquedos, o ambiente é outro.


A minha passagem de ano foi tão divertida como chata. Passei a meia-noite em casa e depois o meu grupo de amigos decidiu ficar pela casa de um deles. Esse rapaz tem um salão (e uma casa em geral) enorme, portanto, com bom sistema de som, comida, bebida e as pessoas certas, as festas costumam ser sempre boas. Dancei muito e diverti-me imenso, mas também tive de andar a limpar o chão e a cuidar de amigos que beberam demais. O balanço foi positivo, though.

Entretanto já tive uma festa de aniversário de uma das minhas amigas mais próximas (que adorei) e estou quase a fazer aninhos! Para já, voltou o inferno de acordar às 7h30 e estudar longas tardes em que só apetece deitar no sofá e dormir até ser hora de jantar. Vou ter que esquecer noitadas de séries e grandes festas, mas não pensem que não estou em contagem regressiva para o Carnaval. 

Seguidores

Google+ Followers

About me