quarta-feira, 20 de maio de 2015

SÉRIES | I'm crushed

A semana passada foi cheia de despedidas: último episódio de Revenge (de sempre), último episódio da temporada de Arrow, último episódio da temporada de The Originals e último episódio da temporada de The Vampire Diaries aka último episódio de sempre da Nina. 

Revenge é uma série da qual já falei aqui e aqui. Comecei a vê-la no verão do ano passado e fiquei completamente vidrada na história. Embora a última temporada tenha sido bastante inferior às primeiras três, foi uma série que nunca tive vontade de deixar de ver (talvez pela força de vontade e coragem da Emily, pela personalidade incrível do Nolan ou pelos olhos do Jack). Vai ser sempre das séries que mais me deu gosto seguir e fico feliz por ter terminado quando devia, em vez de andar a arrastar a história por mais temporadas, quando já deu tudo o que tinha a dar. O final foi o que esperava e é assim mesmo que uma série deste estilo deve acabar: sem grandes dramas, um bocadinho de nostalgia, um bocadinho de tristeza, mas, acima de tudo, felicidade e sensação de missão cumprida. Vai deixar saudades!



Arrow é uma série sobre a qual também já falei aqui e aqui, embora a minha opinião tenha mudado completamente desde que escrevi ambos os posts. Não sei bem como nem quando, mas acho que o turning point foi no momento em que comecei a querer ver o Oliver com a Felicity. Acho que a partir daí, a série melhorou imenso, não só ao nível emocional das personagens, mas também porque esta evolução se fez acompanhar de um grande desenvolvimento da história, mudança da rotina e acontecimentos inesperados.  E o mais importante a notar é que as falhas de realização/coerência e a quantidade de cenas estúpidas/sem sentido diminuíram substancialmente! Deixou de ser uma série cansativa, previsível e para ver nas horas vagas, passando a ser das mais urgentes a ver. Esta terceira temporada então, ao contrário de inúmeras opiniões que já li, foi sem dúvida a melhor: excelente a todos os níveis. Foi por causa desta temporada que, finalmente, percebi o porquê de toda a fama que a série tem: teve tudo o que uma temporada deve ter, principalmente nos últimos 5 episódios. Conclusão: tornou-se numa das minhas séries favoritas e espero que o nível se mantenha na próxima temporada.

P.s: Olicity aconteceu, people!!!



The Originals é, provavelmente, o melhor spin-off alguma vez feito. Não é que concorde com o que dizem, visto que mais de 70% dos fãs é da opinião de que é melhor que The Vampire Diaries, mas, ainda assim, é excelente. Esta segunda temporada conseguiu superar a primeira e inovar a história, trazendo ao ecrã uma das vilãs que mais me aterrorizou (sem dúvida, a melhor vilã de TO e TVD). Não sou louca pela série mas gosto de ver para matar as saudades dos vampiros originais, que tanto fazem falta a TVD. O Klaus é a personagem que causa em mim mais controvérsia de sentimentos, no mundo televisivo. Isto porque ele pode fazer as coisas mais horríveis e monstruosas, típicas de psicopata, doente (e fá-las) e mesmo assim nunca deixo de gostar dele. Não sei se é pelo melhor sotaque britânico que já ouvi, cabelo loirinho ou sorriso traquina, mas ele é simplesmente adorável, mesmo quando mata a namorada do irmão ou esfaqueia os pais. Só há uma coisa a que não acho grande piada: ao romance Klaus e Camille. Eu sou da old school, que ainda espera que, num futuro longínquo, a Caroline (o verdadeiro amor da vida dele!!!!) deixe The Vampire Diaries e vá para The Originals, mostrar à Camille (que, apesar de ser uma querida, é uma seca) como é que se faz. Klaroline ftw!



Estou farta de elogiar The Vampire Diaries aqui (aqui, aqui, e aqui), já todos sabem que  a minha série do coração, por razões que nem sei explicar. Vivo imenso a história e as personagens e por isso é que comecei a chorar aos 10 minutos do último episódio e só parei passado uma hora. Qualquer coisinha mais triste que aconteça em TVD é motivo para uma lagrimazita, imaginem então o último episódio da Nina na série. Arrisco a dizer que foi a season finale mais emocionante e não, não me esqueci da season finale da temporada 3. Todos os últimos episódios de TVD têm por hábito ser tristes e fazer com que morramos um bocadinho por dentro ao vê-los, mas este em especial tocou mesmo lá no fundo. Foi, basicamente, a despedida da Elena de todos os que faziam parte da sua vida, individualmente, mas foi também a despedida da Nina. É horrível, porque eles vão buscar momentos marcantes das primeiras temporadas e reproduzem-nos, como sendo "a última vez" que tais momentos se irão repetir. Claro que é uma nostalgia à qual ninguém escapa, principalmente os que cá estão desde o início, a acompanhar assiduamente. Foi realmente muito triste e, sem dúvida, uma despedida digna de uma personagem principal (ainda bem que a produtora não é a Shonda Rhimes aka produtora de Anatomia de Grey aka mulher que matou o Derek - personagem masculina principal - em cinco minutos de episódio). Não vou dizer que estou a morrer de ansiedade pela próxima temporada, porque não estou. A próxima temporada é, quase de certeza, a última e, mesmo que possa vir a haver outra, TVD não é TVD sem a Nina. Well, tudo o que é bom acaba, certo? *sad*

Último beijo Delena.
Parece que, no final (apesar de não ser um final feliz), ela sempre ficou com o Damon.
Ian e Nina, no último dia de gravações dela.

Paralelo entre um dos primeiros episódios, quando a Bonnie conta à Elena que acha que é bruxa,
e a despedida entre as duas melhores amigas, no último ep da 6ª temporada.
Tears, so many tears.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seguidores

Google+ Followers

About me