sábado, 16 de agosto de 2014

future options

Estou presentemente a cerca de um mês do inicio do meu 11º ano. Como qualquer outro na minha situação, era de esperar que já tivesse bem formulado o meu objetivo profissional. Desde pequena que a minha resposta à habitual "o que queres ser quando fores grande" era um "não sei". Acho que nunca quis responder com certezas, porque me sentiria de alguma forma comprometida com determinada profissão. Hoje em dia, a resposta é a mesma e o motivo é o mesmo. A partir do momento em que disser que estou mais inclinada para algo, todos vão esperar que me torne nisso mesmo e a) não tenho certezas de absolutamente nada e b) não quero que fiquem com expectativas sobre algo que poderá não se realizar (devido a mudanças de planos, média insuficiente, etc.). 


De um aluno com as minhas notas espera-se um médico, um engenheiro, um arquiteto... E acho que sempre fui arrastada para Medicina por causa da minha família. Irmã médica, prima médica, pais que consideram Medicina a única opção viável neste país, entre outros. É o que toda a gente espera: que me torne médica. E, sinceramente, nunca me importei muito que esperassem isso. Eu própria simpatizo com o curso - de todos os que existem é dos poucos em que me veria (ignorando os livros divididos em 5 partes, com 600 páginas cada uma).


Mas também tenho o meu lado sonhador: comunicação ou então um trabalho como modelo. Emigrar para Nova Iorque, ser colunista na Vanity Fair ou até mesmo no Times, apresentar programas de televisão, ir às festas de que falam nas revistas ou até virar atriz e trabalhar numa série em Los Angeles como conseguiu a Daniela Ruah. Por outro lado, desfilar na passerelle da Victoria's Secret, fazer sessões fotográficas ao pôr-do-sol, ser capa de um catálogo de uma marca conceituada são momentos que parecem fazer parte da descrição da vida de sonho de qualquer rapariga.
MAS claro que cairia o carmo e a trindade se alguma vez falasse nisso. Porque só consegue uma em mil, porque as chances de arranjar trabalho são mínimas, porque há muita gente atrás disto, porque é um curso (jornalismo) que pode não servir de nada...


Muito provavelmente a escolha vai recair sobre Medicina. Mas juro que olho para a Sara Sampaio e invejo todos os segundos dos seus dias.

8 comentários:

  1. Quando chegar a altura vais saber (:
    Eu so soube o que queria dias antes de começarem as candidaturas para o ensino superior e agora sei que é mesmo isto que quero, nao me arrependo nada (:
    E nao me ter focado numa so área permitiu-me explorar as opções e decidir-me pelo que me faz mais feliz: turismo! (:

    ResponderExcluir
  2. Acho que deves fazer aquilo que o teu coração te disser.
    Desde pequenina sempre quis ser médica, ainda antes de tal como tu olharem para mim e verem a menina da média alta, cujo futuro era óbviamente medicina. Isso ajudou-me, porque a escolha não foi influênciada por ninguém. Foi minha. Isto para dizer. Sente com o coração e pensa naquilo que te fará feliz. Há desemprego em todo o lado, mas há sempre lugar para os que são bons e apaixonados por aquilo que fazem.

    Yiumy

    ResponderExcluir
  3. Claro que a escolha será sempre minha, mas um 60% minha... Acho que ninguém, hoje em dia, pode dizer que a escolha foi 100% sua, visto que há imensas condicionantes que não dependem de nós. De qualquer das maneiras, gostava de ser daquelas raparigas que têm coragem para largar tudo e seguir o seu sonho em qualquer parte do mundo, com o apoio dos pais. Como não é o caso... espero mesmo conseguir ter a média necessária para entrar em Medicina (outro dos grandes problemas). Obrigada pelo conselho, Yiumy :)

    ResponderExcluir
  4. De nada. Pois a média é o que mais custa, há que lutar imenso, mas acredito que vás conseguir.

    Já pensaste em tirar um ano antes de entrares para a universidade? Ver as tuas opções etc?

    Yiumy

    ResponderExcluir
  5. Já sim, estou a considerar todas opções e todas têm os seus prós e contras. Felizmente, ainda tenho dois anos para pensar nisso. Logo se verá :)

    (em resposta à Yiumy)

    ResponderExcluir
  6. Honestamente gostava de fazer um ano sabático, daí a minha sugestão, mas acho que quand chegar ao momento da ida para a universidade quererei ir no momento.

    Qual é a tua média?

    Yiumy

    ResponderExcluir
  7. Pensas exatamente da mesma maneira que eu. Claro que esse ano traz muitos benefícios, mas na altura vamos estar todos ansiosinhos para entrar para a faculdade, ainda para mais se tivermos média para o que queremos, onde queremos.
    A minha média este ano foi de 18 valores. FQ e Português lixaram-me um bocadinho, por causa de motivos que já sabes. A Biologia fiquei com 18, o merecido. A Matemática tive o azar de me correr mal o teste do 3º período e fiquei com 18, quando ao longo do ano recebi várias notas superiores a 19. E, por fim, Inglês, que foi o que mais me chateou. Tive notas superiores a 19 em todos os testes e a prof nunca me deu o 20. No último teste do ano, tirei 18,6 e fiquei obviamente com o 19. Este ano tenho que subir um valor a tudo eheh

    (em resposta à Yiumy)

    ResponderExcluir
  8. Exato para mim, o ano sabático colocar-se-á se chegada a altura não entrar onde quero, não vejo lógica em entrar para uma universidade só por entrar não sendo o curso que quero. Prefiro esperar, fazer melhorias, e garantir a entrada naquilo que quero.

    Bem os nossos professores parecem os mesmos, Português e Inglês são gémeas autênticas.

    Yiumy

    ResponderExcluir

Seguidores

Google+ Followers

About me